Parábola das Dez Virgens: 5 Loucas e 5 prudentes (Mateus 25.1-13)

Parábola das Dez Virgens: 5 Loucas e 5 prudentes (Mateus 25.1-13)

dez-virgens-parabola

A parábola das dez virgens sem dúvidas, é um dos ensinamentos mais valiosos sobre manter um relacionamento com Deus e o Espírito Santo.

A princípio, quando se pensa em uma festa de casamento, se pensa em uma celebração com um final feliz. Já lemos muitas histórias que acabam em um lindo casamento e ao final lê-se: “E eles viveram felizes para sempre”, não é?

A Parábola das Dez Virgens também fala sobre um casamento. Porém, o final dele é um pouco diferente do que entendemos sobre festas de casamento.

Primeiro, na história encontramos o personagem do noivo, mas não da noiva.

Segundo, que casamento é esse que as próprias madrinhas ou convidadas não podem entrar na festa?

Alguns pontos trazem estranheza quando lemos a parábola do ponto de vista do que presumimos que uma festa de casamento seja.

Mas tudo isso não faz diferença quando entendemos que a noiva, nesse caso, não faz diferença pois o noivo é a figura central. Assim, como podemos ver que Jesus contou a história de uma maneira em que a mensagem dele fosse transmitida.

Contexto da Parábola

Depois de ser indagado pelos discípulos sobre os sinais da segunda vinda de Jesus e o fim dos tempos, Jesus usa ilustrações e a Parábola das Dez Virgens para tratar de vários aspectos referentes ao assunto os quais veremos junto com a parábola.

Talvez, nessa parábola Jesus enfatize pontos dos quais Ele já havia abordado.

A Parábola das Dez Virgens está no livro de Mateus, capítulo 25. 1-13.

  1. Então o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, -saíram ao encontro do esposo. 2. E cinco delas eram prudentes, e cinco loucas. 3. As loucas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo. 4. Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas. 5. E, tardando o esposo, tosquenejaram todas, e adormeceram. 6. Mas à meia-noite ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo, saí-lhe ao encontro. 7. Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. 8. E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam. 9. Mas as prudentes responderam, dizendo: Não seja caso que nos falte a nós e a vós, ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós. 10. E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. 11. E depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos. 12. E ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo que vos não conheço.  13. Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.

Jesus começa então dizendo que o reino dos céus será semelhante a dez virgens.

Nenhuma história mais impressionante poderia ser contada para exemplificar a necessidade de estarmos permanentemente preparados para a vinda de Cristo.

Jesus utilizou de uma figura familiar, e que é muito íntima dos corações humanos – a de um casamento.

A imagem aqui é a de um típico casamento judaico na Palestina. O noivo, acompanhado pelos seus amigos, vai até à casa da noiva, e a leva em uma procissão alegre até à sua própria casa.

Quem são as dez virgens e o noivo?

Muito é falado sobre a representação das virgens.

Alguns acreditam que elas sejam noivas, por causa da omissão da figura da noiva na narrativa e por algumas explicações históricas (ver referência 1). Outros dizem que as virgens são madrinhas convidadas para a festa de casamento (ver referência 2).

A virgindade significa pureza. A Bíblia nos fala que o corpo de cristo, a igreja (a noiva de Cristo), através da salvação por meio de Cristo deve encontrar-se imaculada – pura, inocente – para a volta de Cristo.

“… assim como Cristo amou a igreja e entregou-se a si mesmo por ela para santificá-la, tendo-a purificado pelo lavar da água mediante a palavra, e apresentá-la a si mesmo como igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e inculpável.” Efésios 5:25-27

O apóstolo Paulo também diz em II Coríntios 11.2:

“O zelo que tenho por vocês é um zelo que vem de Deus. Eu os prometi a um único marido, Cristo, querendo apresentá-los a ele como uma virgem pura.”

Jesus é claramente o noivo que em sua segunda vinda se casará com a igreja.

As prudentes e as insensatas

Para entendermos melhor e já aplicarmos aos nossos dias, consideremos as 10 virgens, mulheres cristãs, mulheres que acreditavam em Cristo. Porém, 5 delas eram insensatas e 5 prudentes.

A história conta que as 10 pegaram suas candeias, mas somente as 5 prudentes levaram óleo.

Na versão Almeida Revista e Atualizada, nós podemos encontrar a palavra óleo como azeite. Como o noivo demorou a chegar mais do que elas haviam, talvez, planejado, suas candeias ficaram sem óleo e por isso se apagaram.

Vendo que o noivo se aproximava, elas pediram que as prudentes dessem um pouco de óleo para elas.

Qual é o significado de óleo na Bíblia?

Na Bíblia podemos encontrar o óleo no antigo testamento referindo-se à unção. No novo testamento encontramos também como a representação do Espírito Santo.

“… como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e poder, e como ele andou por toda parte fazendo o bem e curando todos os oprimidos pelo diabo, porque Deus estava com ele.” Atos 10:38

Em Levítico 24.1-4, o Senhor diz a Moisés que as lâmpadas do tabernáculo deveriam estar sempre cheias de puro azeite e que permanecessem sempre acesas diante do Senhor.

Quando o profeta Samuel vai urgir o futuro rei Davi, ele unge com azeite, e a Bíblia menciona que desde “aquele dia em diante, o Espírito do Senhor se apoderou de Davi” (1 Samuel 16:13)

Quanto ao óleo ou azeite na parábola das dez virgens, é bem claro seu significado. Simboliza primariamente o Espírito Santo de Deus nas nossas vidas.

O manter aceso a candeia, é o quanto temos desenvolvido um relacionamento diário com Deus em nossas vidas.

Qual o significado da parábola das dez virgens?

A Parábola fala sobre cristãos que receberam o Espírito Santo, mas foram negligentes em entender sua importância e seu valor fundamental em nossa vida de relacionamento com Cristo.

O óleo é o que faz a chama ficar acessa. Sem óleo a chama da candeia se apagou e isso foi o que fez com que as dez virgens fossem separadas em quem entraria na festa de casamento – reino dos céus – ou não.

A chama aqui poderia representar a chama do amor por Deus. Nossa vida sem a revelação da Palavra de Deus – lâmpada – não gera um amor verdadeiro pelo próprio Deus. O Espírito Santo nos dá entendimento de quem Deus é e vivifica a Sua Palavra em nós.

“Ele nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; pois a letra mata, mas o Espírito vivifica”. 2 Coríntios 3.6

Uma lâmpada que não cumpre o seu propósito – brilhar – não serve para nada. Podemos ver que o próprio Jesus disse isso:

“Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte.
E, também, ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo de uma vasilha. Pelo contrário, coloca-a no lugar apropriado, e assim ilumina a todos os que estão na casa.
Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus.” Mateus 5.13-16

Se quiser saber mais sobre o que Jesus estava falando em Mateus 5 quando disse que você é a luz do mundo, clique aqui para acessar um estudo.

O noivo não conhece as virgens insensatas

Algumas pessoas podem pensar que foi egoísmo da parte das 5 virgens prudentes não terem divido o óleo com as 5 virgens insensatas, mas o ponto da parábola é: manter o fogo aceso é algo pessoal, outras pessoas não podem fazer isso por você.

Seu relacionamento com a Palavra de Deus e o Espírito Santo geram um amor por Deus em você que não pode ser vivido através de outra pessoa ou “emprestado” para você.

Logo vemos o noivo dizendo “A verdade é que não as conheço!”

Encontramos em outras passagens Jesus dizendo:

“Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.” Mateus 7.21

Deus sempre quis uma vida de relacionamento conosco. Desde o Jardim do Éden podemos ver como o relacionamento com Ele é o mais importante. A vinda e Cristo, o Espírito Santo, a Palavra, todas essas coisas nos foram dadas para que pudéssemos nos aproximar de Deus, termos livres acesso a Ele e conhecêssemos mais quem Ele é.

Quando o noivo diz que não conhecia as 5 virgens insensatas, é como Jesus estivesse dizendo que não é somente porque parecemos cristão, que somos reconhecidos pelo próprio Deus.

Uma vida orientada pela sua palavra e pelo Espírito Santo gera relacionamento e amor – amor por Deus.

A parábola foi escrita para nós, crentes em Cristo que esperamos sua segunda vinda.

Podemos esperar o Senhor e deixarmos nosso óleo acabar ou sermos prudentes e esperarmos o Senhor prontos, com a nossa lâmpada pronta e acessa para a vinda do noivo, para que então possamos entrar com Ele no reino dos céus.

Notas e consultas:

  1. https://hermeneutics.stackexchange.com/questions/406/are-the-ten-virgins-told-in-jesus-parable-multiple-brides-or-just-general-wed
  • Comentário Bíblico BEACON – Volume 6

2 Comments

  1. Aqui e missionária Linda Que mensagens maravilhosas choro so em ler

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PREGADOR QUALIFICADO