Introdução do Sermão: 10 Segredos para uma boa introdução

Muitos pregadores tem dúvida sobre “como começar uma pregação?”, é justamente nesses momentos iniciais que muito se atrapalham.

Por isso, resolvi escrever esse artigo completo falando sobre 10 segredos que você precisa saber ao qual vai te ajudar a desenvolver uma boa introdução.

Acredito também, fielmente, que nosso sermão deve acima de tudo ser conduzido pelo Espírito Santo, então o que vamos apresentar a você é apenas um rumo, contudo, não se constitui uma regra.

Se você:

  • Já passou por um momento que não sabia como começar sua mensagem.
  • Já deu branco e se atrapalhou totalmente na introdução.
  • Não sabe o valor que a introdução tem.
  • Precisa saber como começar um sermão com excelência.

Tenho certeza que nosso artigo de hoje pode te ajudar! Aliás, a introdução é o momento que você prende a atenção do ouvinte.

Provavelmente, se a sua mensagem já começar monótona ou sem vigor algum, as pessoas não vão prestar atenção no que você ainda tem a transmitir.

Por isso, precisamos começar em “chamas” e com o coração sensível a vontade do Espírito Santo, porque aí, com certeza teremos um sermão qualificado.

Veja pontualmente cada um dos segredos que vamos mencionar:

  • #1 – Comece seu sermão lendo o texto bíblico.
  • #2 – No momento da introdução você deve cativar seu ouvinte.
  • #3 – Comece contando um fundo histórico.
  • #4 – Comece mostrando o quão importante é o que vai ser falado.
  • #5 – Tome cuidado com o tamanho da sua introdução.
  • #6 – Não tente impressionar com palavra difíceis.
  • #7 – Não fique falando sobre você mesmo.
  • #8 – Não prometa um grande sermão.
  • #9 – Não copie o jeito de outros pregadores, mas desenvolva o seu.
  • #10 – Não fique se desculpando.

Se mesmo ao final do artigo, diante de tudo que vai ser falado, você ainda estiver com dúvidas, pode utilizar livremente o campo comentário.

#1 – Comece seu sermão lendo o texto bíblico

Esse ponto pode em um primeiro momento parecer simples demais, mas acredite, muitas pessoas, principalmente quando estão iniciando, esquece de começar pela leitura do texto.

Você foi convidado para ministrar, justamente para pregar a poderosa Palavra de Deus, sendo assim, começar por ela é fundamental.

E faça isso com qualidade, trabalhe a sua leitura, de modo que seus ouvintes entendam o que está sendo lido.

É interessante que fazendo isso antes de tudo, você mostra já de começo que sua mensagem está respaldada na Bíblia e não em qualquer coisa, e que você prioriza isso.

O pr Hernandes Dias Lopes vai comentar que “você deve pregar a Bíblia e não sobre a Bíblia.” Quando ele fala isso, está chamando nossa atenção sobre a importância que é pregar o texto bíblico e não ficar andando em círculos sem rumo algum.

Assim sendo, nunca se esqueça de começar a sua mensagem pelo texto bíblico e não por qualquer outra coisa.

#2 – No momento da introdução você deve cativar seu ouvinte

Quando me refiro cativar, não estou de modo algum dizendo que você deve ser um animador de plateia. Contudo, você deve sim buscar transmitir uma empolgação no que você vai falar.

Eu já vi ministros do evangelho que sobem ao altar, e parece que estão falando em um velório, e olha que até velório mesmo as vezes já é mais animado.

Você está ali para pregar o Evangelho, não é qualquer mero discurso, é uma das coisas mais importantes de sua vida. Não tem como não ficar animado com isso.

Um grande avivalista da geração passada, por nome do John Wesley dizia o seguinte: “Ponha fogo no seu sermão ou ponha seu sermão no fogo.”

Eu tomei tanto essa frase de John Wesley como referência em minha vida, que sempre quando vou ministrar, eu oro a Deus dizendo o seguinte: “Pai, coloca meu coração em chamas para pregar a sua palavra.”

A igreja já está cheia de formalidades atrás de formalidades, o que realmente está ausente, é a presença de pregadores que estejam entusiasmados para proclamar as Escrituras.

Por isso, não comece um sermão, parecendo que chegou abatido ali, muito pelo contrário. Tenha um semblante de alegria, porque um coração alegre, aformoseia o rosto.

#3 – Comece contado um fundo histórico

Eu quero que você entenda algo já, por mais claro que você consiga ler o texto introdutório. Possivelmente, 80% dos ouvintes não sabem muito sobre aquela passagem.

Dependendo, se for um texto ao qual não é muito conhecido, possivelmente essa porcentagem aumenta. Como resultado, uma das coisas que você deve fazer em sua introdução é explicar o contexto da passagem que está pregando.

E se nesse momento você estiver pensando: “Mas o que eu vou falar não tem nada a ver com o contexto do versículo.” Eu te digo que você montou uma mensagem errada.

Porque se você pega um versículo, e separa ele do seu contexto, para aplicar as ideias que está em sua mente. Você vai pregar seus pensamentos e não a Bíblia Sagrada.

Quando falamos sobre um sermão expositivo, ele é composto por três partes fundamental: Ler, explicar e aplicar.

Se você estiver fora desse padrão, então faça um novo sermão. Porque se o contexto não tem nada a ver com o que vai falar, então sua explicação é um fracasso.

Estamos em tempo que não devemos pregar heresias em cima do altar. E as vezes as heresias vem intencionalmente e outras, por falta de estudo e preparo. Com isso, reformule seu sermão.

Sempre explique o contexto daqueles versículos, isso trás uma sensação para a igreja que:

  1. Você sabe o que está pregando. Se preparou adequadamente não caiu de paraquedas.
  2. O que você vai falar, está relacionado verdadeiramente com a passagem e não é avulso.

Aplicando esse passo, com certeza sua introdução vai caminhar bem.

#4 – Comece mostrando o quão importante é o que vai ser falado

Qual a relevância da sua pregação? Qual a mensagem que está querendo passar? Será que tem um objetivo principal?

Quando pregamos, não estamos ali para mostrar o tanto que conhecimento que temos, na verdade, pregamos para que os ouvintes possam ser transformados pelo Evangelho.

Diante disso, ter um objetivo é fundamental para uma pregação. E demonstrar esse objetivo na introdução se faz necessário.

Mostra que vai falar de ensinamentos práticos e diários, ao qual depois daquela ministração, não tem como o ouvinte continuar tomando escolhas erradas.

Tome cuidado também para não fazer isso de forma arrogante ou egocêntrica. Sempre utilize da humildade.

Aquilo que você ensina não é importante só para os ouvintes, mas também na sua vida. Toda mensagem antes de ser transmitida ao povo, deve primeiro falar ao coração do pregador.

#5 – Tome cuidado com o tamanho da sua introdução

Já vi pregadores usam da maior parte do seu tempo na pregação, somente na introdução. Eu geralmente separo o sermão em 3 partes:

  1. Introdução – 5 min
  2. Desenvolvimento – 30 min
  3. Conclusão – 5 min

Esse tempo que menciono acima é caso eu tenha 40 minutos para pregar, se for menos ou mais, claro que vou adaptar ao tempo.

Mas utilizei desse exemplo, somente para te mostrar que introdução é INTRODUÇÃO e não desenvolvimento. Assim sendo, o que você está fazendo é começando a clarear a mente dos ouvintes a respeito do assunto.

Acredite, se hoje estou te ensinando isso é porque já errei bastante nisso. Me lembro de pregações minhas que cheguei a utilizar 30 minutos somente para introduzir, e pela minha inocência, achava isso o máximo.

Porém, quando fazia isso, os ouvintes não tinham transformação e pior, causava um desinteresse imenso em cada um sobre o que estava falando.

Porque quando você demora demais na introdução, causa uma sensação de que a pregação não começa nunca. Sendo assim não é necessário prestar tanta atenção.

Claro, se você for ver pregações no youtube de grandes conferências, vai perceber que alguns pregadores utilizam de 25 a 30 minutos as vezes para introduzir. Mas isso se deve porque eles têm 1h40min de pregação. Daí com certeza a introdução vai ser maior.

#6 – Não tente impressionar com palavra difíceis

Um dos grandes diferenciais do nosso Jesus, é que ele não veio chamar os doutores apenas. Mas trouxe a salvação para todos.

Como resultado, na igreja temos pessoas de todas faixas etárias, etnias, cor, escolaridade e etc. Portanto, quando você fala apenas palavra difíceis, até consegue atingir alguns com sua ministração, porém, o propósito principal é atingir todos e não alguns.

Por isso, eu recomendo fielmente que você utilize de um linguajar comum e que seja acessível a todos. Desde o mais novo até o ancião deve compreender a mensagem.

E fazer isso é maravilhoso! Tem gente que pensa que vai demonstrar uma incapacidade sua, ou algo do tipo.

Mas na verdade não. Vai mostrar que você veio transmitir o evangelho para todos e é totalmente acessível, de tal modo que até crianças podem se converter.

Podemos pegar como exemplo os tribunais, se você como leigo, ir a um tribunal, não vai entender muito a linguagem dos advogados e juízes que existem ali. Entretanto, essa é uma característica da profissão deles e não do cristianismo.

Imagine se Jesus viesse e falasse difícil, muitos daqueles que moram no interior e não tem acesso a uma escolaridade, não entenderia o plano da salvação e jamais se entregaria de corpo e alma. Por isso, Jesus veio em simplicidade e você como pregador utilize disso.

Não é falar também de maneira que pareça uma criança! Não entenda isso! É falar em um linguajar comum e tradicional.

#7 – Não fique falando sobre você mesmo

Você foi convidado para pregar sobre Jesus e não sobre você. Já vi pregadores, principalmente aqueles que já tem uma longa jornada, gastarem minutos preciosos falando sobre si mesmos e suas conquistas pessoais.

Eu tenho um recado importante a respeito disso: “A igreja NÃO gosta em hipótese alguma disso!”. Até porque se alguém saiu de sua casa, para ir à igreja, ela foi esperando escutar algo da parte de Deus e não da sua vida.

Não confunda isso com contar um testemunho pessoal. As vezes você pode contar sim um testemunho que aconteceu em sua vida, contudo, logo volte para o foco que é a Palavra.

Se você observar um dos primeiros modelos que temos de sermão em Atos 2, quando Pedro cheio do Espírito Santo começa a ministrar. Em nenhum momento fala sobre o quanto conversou com Jesus, que pode tocar Jesus e etc. Na verdade, ele coloca o foco só na pessoa de Cristo e não nas suas realizações pessoais.

Então tenha foco e objetivo no que vai falar, nada de ficar falando de si mesmo.

#8 – Não prometa um grande sermão

Existe pregadores que utilizam de uma auto exaltação impressionante na introdução. Prometendo que vai ser um grande sermão, que vai acontecer isso e aquilo durante sua pregação.

Eu fico pensando, se quem realmente opera no meio da igreja é o Espírito Santo, seria esse pregador maior que o próprio Espírito?

Não importa o quanto Deus já te usou, sempre que você for ministrar vai ser uma situação diferente. Ficar prometendo um grande sermão, só vai criar uma frustação no ouvinte se de fato não for.

Deixar isso de lado (a auto exaltação) não significa que você não deve acreditar naquilo que prega. Muito pelo contrário, você tem que ter convicção no que prega, acreditando que veio da parte de Deus para o povo.

Porém, as manifestações, sinais e maravilhas, não está sobre sua autoridade e sim sobre a do Espírito Santo. Por isso, tome muito cuidado com as “promessas” que você faz na introdução.

Quando começamos no ministério de pregação, erramos bastante nesse ponto. Porque temos muitas dúvidas sobre o que é uma pregação e como Deus nos usa nela.

Mas agora que te alertei, você pode fazer diferente. Ao invés de se auto exaltar, tenha o coração entregue e sensível para descobrir o que o Espírito Santo quer fazer.

#9 – Não copie o jeito de outros pregadores, mas desenvolva o seu

Com certeza, se você prega o evangelho, a pregação em si é uma coisa que te encanta. Em algum momento você vai ver pregadores(as) que são como referência para você.

Isso não é errado, ter homens e mulheres que você admira é até bonito. Mas não quer dizer que você deve copiar o jeito deles ministrar.

Procure se conhecer e fazer do seu jeito. Não queira ficar copiando as outras pessoas, isso não é bom.

Eu mesmo quando prego sou mais agitado, contudo, tenho amigos pregadores próximos a mim que demonstram uma calma e fazem isso com muita excelência.

Se eu tentar copiar meus amigos ou eles tentarem me copiar, não vai dar certo! O mesmo modo se aplica a você.

Deus te chamou para te usar exatamente como você é. Não fique tentando se encaixar em alguns padrões, ou até mesmo copiar alguém. Pare com isso agora mesmo!

Uma vez quando orava, perguntei a Deus: “Como o Senhor quer que eu pregue?”. Não demorou muito para obtivesse a resposta, Ele me dizendo: “Pregue do jeito que te ensinei, com amor.”

Eu entendi a resposta de Deus, porque não sou aquele pregador que desce o cajado no povo, não sirvo para isso. Ao contrário, tenho um amor imenso derramado em meu coração pelo ouvinte, e quando utilizo desse meu jeito, o sermão flui tranquilamente.

#10 – Não fique se desculpando (Conclusão)

Quero concluir esse artigo com um último segredo para uma boa introdução. Que é justamente ficar se desculpando logo no início.

Não tem nada mais que atrapalha o começo de um sermão, do que um pregador que fica falando:

  • Eu não consegui estudar o suficiente, então não sei como vai ser.
  • Eu sei que existem outras pessoas mais capacitadas do que eu, mas vou pregar.
  • Eu tive um dia ruim, complicado, estressado, mesmo assim vou pregar.

Sinceramente, essas desculpas não ajudam em nada. Independente do que aconteceu ou está acontecendo, você está ali para pregar, dê o seu melhor.

Tem pregador que usam essas desculpas como pretexto de humildade ou modéstia. Porém, desculpas nunca serviram para isso, muito pelo contrário, só mostra o despreparo ou descaso com a situação.

Por isso não comece se desculpando. Com isso concluímos os 10 segredos para uma boa introdução.

Agora, se você quiser ver outros artigos que publicamos aqui no site falando sobre pregação, veja abaixo:

1 Comment

  1. Daiane disse:

    Me sinto?. meia perdida quando estou Orando como devo Orar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PREGADOR QUALIFICADO